Um lado da imagem do Brasil no exterior

Extrangeiros, OI!

Como estão? Saudade de vir aqui e postar… Não pensem que eu esqueci do blog não… Eu só estou bastante cheia de novidades (e outras nem tanto) pra acompanhar, que acabei não conseguindo vir. Mas continuo preparando postagens! Fiz alguns vídeos.. Um deles inclusive feito por um casal de amigos meus (ela mexicana, ele espanhol) sobre uma bebida típica daqui. Que tal? Vou editar o vídeo e trago pra vocês ainda essa semana, o que acham?

Mas hoje vim trazer as informações de uma reportagem bem importante que eu li. A revista Exame publicou um texto informativo sobre o que as autoridades de outros países escrevem sobre o Brasil para sua população Ou seja, conselhos que as autoridades da França, por exemplo, dão a sua população quando querem visitar o Brasil. O título é: “Cuidado com amigos no Brasil, aconselha França a cidadãos” é bem forte, bem como a matéria.

O fato é que sim estamos em uma situação bem delicada no Brasil. Tanto para quem vive lá, quanto para os turistas. Deem uma lida neste relato abaixo (Fonte: Revista Veja):

Na última quarta, 5, alunos do Sion, em Higienópolis, um dos colégios mais tradicionais da capital, forraram parte do muro da instituição com cartazes pedindo o fim da violência e expressando mensagens de carinho ao funcionário Eduardo Paiva, de 39 anos, morto dois dias antes na porta da escola. Ele havia acabado de sacar 3 000 reais em um caixa eletrônico nas redondezas, quando foi abordado por uma dupla de assaltantes. Com o pacote com o dinheiro escondido dentro da calça, embrulhado em papel pardo, tentou agarrar a perna do bandido, que reagiu dando-lhe um tiro na cabeça e fugindo em seguida, na garupa da moto de seu comparsa. Socorrido por uma ambulância do Samu, Paiva morreu logo depois de dar entrada na Santa Casa de Misericórdia. Até o fim da tarde da última quinta, a polícia não havia identificado os responsáveis pelo crime. Uma câmera de segurança do Sion registrou a ação dos marginais.

Isso é bastante chocante de se ler, não é? Sei que a guerra no Afegasnistão é forte, sei que a questão Narco no México é intensa, mas estamos falando de Brasil e estamos falando de uma guerra que nós, a população, enfrentamos todos os dias, nas ruas, em casa, no pátio de casa cercado de grade, nos ônibus (caso da menina que morreu queimada), uma guerra que não só tem propósitos políticos e econômicos (como essas aí de cima), mas que coloca a população em conflito. Isso tudo, essa situação, para o turismo, é pavorosa (não vou nem falar de como é insustentável para os brasileiros). É uma guerra constante pela sobrevivência. E a pior parte dela é que não tem data para acabar.

A educação não melhora. Não temos saúde de qualidade (muitos não tem saúde, porque morrem em filas imensas, esperando uma consulta ou autorização do setor de orçamento – enquanto José Genuíno e Dirceu fazem sites para arrecadar dinheiro para pagar a dívida do que roubaram! Esse dinheiro que eles roubaram poderia salvar muitas das pessoas que morrem nas filas), não nos sentimos seguros (e não vou entrar em toda a questão polícia versus população, porque não sou tão extremista) e, como consequência de toda essa situação, os turistas estão cada vez mais receosos de visitar o país. E não podemos culpá-los, não é?

Agora, vejam o que a França escreveu sobre o Brasil, aconselhando sua população que quer visitar o país:

Destaque: um mapa feito pelo país (veja entre as imagens da matéria) não inclui nenhuma área verde, isto é, nenhuma cidade do Brasil pode ser aproveitada pelos turistas apenas sob “vigilância normal”.

A maior parte do mapa é pintada de amarelo, ou seja, exige ”vigilância reforçada”. Apenas o estado do Amazonas tem áreas em vermelho, onde a visita é “expressamente desaconselhada”. Várias áreas fronteiriças estão em laranja, que significa “visita desaconselhada, salvo sob razão imperativa”.

Mapa do governo da França com as várias zonas de perigo do Brasil

Trecho: “O período de Carnaval é tradicionalmente festivo e violento no Brasil. Embora a natureza das festas e dos espetáculos mude dependendo de onde se está, seja no Nordeste (Recife, Olinda, Maceió), na Bahia (Salvador, cidades costeiras), no Rio ou São Paulo, elas mobilizam a população e as forças da ordem durante vários dias, reúnem multidões consideráveis e atraem muitos turistas, brasileiros e estrangeiros.

A alta concentração de pessoas sob júbilo é inevitavelmente acompanhada de um risco ainda mais elevado que o normal de excessos e comportamento anti-social”.

Estados Unidos:

Destaque: o governo norte-americano torna público as recomendações não só para turistas em geral, mas as proibições impostas aos seus próprios empregados em países estrangeiros.

No Brasil, eles não podem visitar áreas a menos de 150 km das fronteiras, favelas não pacificadas e cidades satélites de Brasília, como Ceilandia e Paranoá. Para estas últimas, a restrição funciona apenas entre seis da noite e seis da manhã.

Trecho: “A taxa de homicídios do Brasil é mais de quatro vezes superior à dos Estados Unidos, e as taxas de outros crimes são igualmente elevadas.

Tenha cuidado ao viajar através de áreas rurais e cidades satélites devido aos incidentes de assaltos nas estradas que miram aleatoriamente carros de passagem. Roubos e “sequestros relâmpagos” fora de bancos e caixas eletrônicos ocorrem regularmente.

Algumas vítimas foram espancadas e/ou estupradas. Você também deve tomar precauções para evitar ser assaltado, especialmente em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e outras cidades”.

Eu ainda tenho a ideia de que essas recomendações do governo são suaves. Os governos dos países estrangeiros estão tentando proteger sua população, no entanto, ainda precisam levar em consideração as relações com o Brasil. Questões de políticas públicas, de interdependência entre nações, exportações, preços, enfim, política.

Se quiserem ver posições de outros países, é só acessar o link da Exame, abaixo. Dentre eles estão Austrália, Argentina e Espanha.

O Brasil também tem um alerta para viajantes. Então, se tu quiseres viajar, dê uma olhadinha nesse link antes. Não é 100% seguro. Estava lendo as informações México e Espanha e as informações parecem estar “trocadas”. Dá a entender que é necessário maior preocupação com segurança na Espanha do que no México. O que não é verdade. Como já morei em ambos os países, posso afirmar que o México dá uma sensação muit grande de insegurança, muito diferente da Espanha que, em muitos lugares, dá uma sensação completa de segurança. Sugiro a busca em blogs de viagens antes de viajar (esse aqui é um, por exemplo! Caso o conteúdo ainda não esteja publicado aqui, é só falar comigo por face, e-mail, ou mesmo comentando aqui, que eu respondo rapidinho).

Fonte: Exame online

Próximos posts: Vídeo de como fazer uma bebida típica do México, feita por uma mexicana! Surpresinha!

Não esqueçam de se inscrever no blog, do lado direito. E de curtir o blog no Facebook.

Até a próxima! 🙂

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s