Checklist de viagem

Oi extrangeiros!

Quem vai viajar por esses dias?

Bem, vocês que se vão tem a minha inveja branquinha, transparente! Se quiserem, podem fazer furinhos e me levar na mala que eu não me importo! Para quem ainda não vai viajar, não se preocupem, logo logo chega a vez de vocês!

logooSeja como for, o bom mesmo é ir se preparando! Fiz um Checklist de viagem com vários itens necessários e outros fundamentais em uma viagem! Eu sempre me baseio em uma lista para viajar, porque é consideravelmente mais fácil e rápido! Vocês já tentaram?

Bem, eu acho que o importante e necessário para se aproveitar uma viagem é estar com a alma e o coração abertos para curtir um novo desafio. Se estiver tranquilo de que (quase) tudo foi pensado e planejado, então meio caminhado está andado. Aí é só aproveitar!

Aqui está o Checklist de viagem do blog! Espero que seja útil!

O blog No extrangeiro te ajuda a pensar nos detalhes e te deseja uma BOA VIAGEM!

Vai viajar para os Estados Unidos? LIGUE o celular

É isso mesmo extrangeiros, a partir de agora quem for viajar para os Estados Unidos pode ter que comprovar que o celular é mesmo um aparelho usado para ligações e não é um detonador, uma bomba ou qualquer outra coisa. Para isso, ele precisará ter bateria e você precisará poder ligá-lo!

Levei um susto quando li a reportagem, porque invariavelmente meu celular está sem bateria!! E levar o carregador na bagagem de mão implica em que eles podem (não aconteceu comigo em viagens recentes, mas se está sujeito) tirá-lo porque há toda uma preocpação com relação ao fio (perigo de enforcamento)!

Ainda não encontrei ninguém que tenha ido depois que essa medida foi sugerida, então não posso dizer como está funcionando. Mas o que preocupa o país (EUA) são os aparatos que aparentam ser um objetivo já conhecido, mas na realidade são bombas! Na reportagem, eles afirmam que vão aumentar a segurança (o que significa aumentar os procedimentos de revisão no embarque). Então: cuidado redobrado nos aparelhos que vocês levam na mala! Tablets e dispositivos eletrônicos em geral precisam ligar se eles pedirem comprovação!

Por via das dúvidas viajantes, é melhor carregar o celular antes de embarcar!

Fonte

Visto de estudante mexicano

Oi extrangeiros!

Bem, como vocês sabem, estou planejando a minha viagem para o México agora em janeiro. Em dezembro, quando recebi a confirmação da minha aceitação na Universidade, fui pesquisar sobre o visto, já que este é, geralmente, o processo mais demorado de todos! Pois bem, descobri que não vou precisar de visto para estudar no México.

É isso mesmo. Parece mentira, mas o México aboliu a necessidade de visto mexicano para brasileiros quando a estada for menor que 180 dias. Contanto que a pessoa que vai viajar não exerça atividade remunerada, não precisa de visto. Vocês podem obter mais informações aqui.

Por via das dúvidas, eu vou levar impresso o papel com as informações tiradas do site do consulado mexicano em São Paulo (link acima). Mas já conversei com uma pessoa que foi pra lá, estudou por quase 5 meses e não precisou de visto para entrar! Então é tranquilo mesmo! Desde maio de 2013 não é mais necessário visto pra atividades mais longas, desde que não ultrapasse os 180 dias!

Bem, por agora e só, mas os próximos posts vão estar ótimos! Estou preparando um videozinho de arrumação de malas!

Visto mexicano

Curta o blog No extrangeiro no Facebook e fique ligado nas novidades!

Até!

Meios de pagamento no exterior

Oi extrangeiros lindos!

Bem, é certo que muitos de vocês já leram o post que fiz sobre o aumento do IOF, mas para quem não leu, lá vai um pequeno resumo: o post foi meramente para informar que compras, saques, uso de cartões pré pagos e travellers check no exterior agora são tarifados pela alíquota de 6,38%. A única exceção, cuja alíquota permanece em 0,38%, é se a troca acontecer em espécie, dentro do Brasil, em casas de câmbio. Aí o jeito é realmente levar o dinheiro em espécie e não em cartões (lembrando que os famosos VTM também sofrem com o aumento, já que são cartões pré pagos). Para ler o post completo e entender um pouco dessa mudança, clique aqui.

Bem, explicada a situação, acho interessante sugerir formas de se levar dinheiro. Vamos lá!

Dinheiro em espécie: Se trocado em casas de câmbio, no Brasil, em dinheiro vivo, espécie, a alíquota permanece 0,38%.
+ A alíquota! A diferença é de 6%, o que é um valor bem elevado quando se troca muito dinheiro. Pagando no Brasil, você economiza esses 6% para fazer compras no exterior.
Lado negativo: é relativamente perigoso levar muito dinheiro em espécie.

Cartões de crédito: A tarifa permanece 6,38%.
+ Milhas. Um ponto positivo é o acúmulo de pontos no cartão para trocar por milhas ou reservas de carro, diárias em hoteis e até mesmo algumas lojas de produtos e serviços.
O lado ruim é o de sempre, a variação cambial, a gente nunca sabe qual vai ser a cotação da moeda (dólar, euro, etc) no momento do fechamento da fatura seguinte.

Cartões pré pago: Alíquota de 6,38%.
+ O ponto positivo de levar cartão pré pago (Aquele internacional, dos bancos, e também o Visa Travel Money, de agências de viagem) é que você sabe o valor que vais pagar de tarifa no momento em que carrega o cartão. Não vai ter surpresinhas de variações cambiais.
O lago negativo, agora, depois desse aumento do IOF, é realmente a aíiquota. De 0,38% à 6,38%.

Traveller cheque: Ou check, enfim. Alíquota de 6,38%.
+ É uma garantia que você tem, de levar escondido na pochete ou guardar no cofre do hotel, enfim, pode ser levado como medida de segurança.
Você fica sujeito à duas tarifas (quando compra o cheque e quando o troca no país que pretende visitar).

A minha opinião é a seguinte: Se houver possibilidade de levar dinheiro em espécie, eu prefiro essa opção. É claro que vai depender do país ou local para o qual você vai. Não é preconceito, é a realidade. Tem alguns lugares aonde é simplesmente muito arriscado levar dinheiro em espécie e pronto. Em outros, já sabemos que é aceitável. E é bom lembrar que existem muitos hoteis que possuem crofes. Até mesmo hostels tem os lockers, que são os armários (que podem ser cadeados), aonde você pode deixar dinheiro (se quiser arriscar!).

Caso você prefira levar um pouco de dinheiro em algum cartão, eu sugiro o pré pago. Porque a não ser que você seja muito bom em economia e esteja por dentro das mudanças na economia mundial, é bastante difícil ter absoluta certeza que a moeda vai estar com valor mais baixo no fechamento da fatura seguinte, que é quando você pagaria os gastos com o cartão de crédito. Com o pré pago a tarifa é a mesma, 6,38%, no entanto, você sabe qual o valor da moeda estrangeira no momento da compra e não vai ter surpresinhas extras no mês seguinte.

Os traveller cheques são a minha opção menos favorita. Só vou utilizá-los quando for realmente indispensável ou não houver outra opção. Não gosto deles, porque você fica sujeito à duas variações de moeda, à do dia da troca, ou a compra dos cheques e à do dia da compra no país que vai visitar. E, geralmente, fora do Brasil o real custa muito, portanto a minha opinião é que você não leve esses cheques.

Não esqueçam de curtir a página do blog no face! Sempre divulgo as postagens por lá e você pode ficar informado de tudo! 🙂

Espero ter ajudado alguém! 🙂
Até a próxima, viajantes!

Sugestão de post

Home banking

Oi extrangeiros!

Bem, eu já havia mencionado em algum dos posts anteriores, que vou fazer outro intercâmbio. Sim, vou começar meu sexto intercâmbio no fim de Janeiro… Mais adiante vou contarpra vocês aonde é e um pouco sobre como está sendo essa experiência de pré viagem! Até hoje, a mais conturbada de todas!!

Mas bem, vamos ao que interessa…

Vim trazer pra vocês um assunto bastante interessante e relativamente novo, que é bastante válido para quem vai fazer intercâmbio ou qualquer outro tipo de viagem: home banking.

Também chamado de “banco online” é a possibilidade de realizar transações financeiras, como pagamentos, acesso a extrato, transferências e outros, pela internet. Isso é vantagem porque te permite acessar a tua conta no banco a qualquer hora, mesmo que fora dos horários de funcionamento do banco, e de qualquer lugar, contanto que tu tenhas um computador e internet.

Para quem vai viajar para o exterior essa opção é especialmente importante. Porque quando a gente acessa um caixa eletrônico aqui no Brasil, ele nos permite fazer uma série de operações como as já citadas acima. Incluive tirar o extrato da conta (que se torna muito mais importante quando estamos fora do Brasil). No exterior, a maioria dos caixas eletrônicos não tem essa opção. Essas transações financeiras são mais complexas e bem mais demoradas. Além disso, alguns bancos 24 horas nem te mostram o teu saldo! Então é bastante mais prático ter acesso de um note ou mesmo de celulares e tablets.

Para saber como acessar de um note a sua conta do banco, acesse o link Home Banking. É bem simples e rápido! E vale muito a pena fazer isso antes de viajar.

Não esqueça de curtir o blog No extrangeiro no facebook!

Até a próxima! 🙂

Carteira de motorista internacional

Oi extrangeiros!

Bem, tem gente que não sabe, mas é possível dirigir em outro país sem precisar fazer a carteira de motorista lá (o que implicaria em aulas e demais, dependendo de cada país). Só que é necessário ter a Carteira Internacional, que técnicamente se chama Permissão Internacional para Dirigir (PID).

IMG_7913

A aparência é esta aí de cima. Parece um livretinho, maior que a carteira de motorista nacional e menor que um livro de tamanho mediano. Tem uma folha de instruções, com explicação das categorias (A,B,C,D e E) e também algumas informações importantes. Essas informações todas são traduzidas em diversas línguas… E é por isso que parece mais um livretinho, do que uma carteira de motorista!

Bem ao final, literalmente na última página, é aonde estão as informações do motorista, com foto, nome completo e em qual, ou quais, categorias você se encaixa.

É bem fácil de pegar sua PID. Basta ir até o CFC em que você emitiu a carteira nacional e pedir a via da internacional. A válidade é a mesma da carteira nacional. Exemplo: se a sua nacional durar até Dezembro de 2014, e você for em Janeiro de 2014 pedir a via internacional, a sua internacional só vai durar até Dez de 2014.

Eu andei lendo por aqui que o valor está bem alto. Mas, quando eu paguei, há uns dois anos atrás, foi menos de R$ 50,00. Não lembro o valor exato, mas foi R$ 40,00 e poucos! De qualquer maneira, é só ligar para qualquer CFC e perguntar! Tem que levar uma série de documentos, comprovante de residência e outros, que não vem ao caso aqui.

A Permição Internacional para Dirigir – PID somente será expedida pelos órgãos e entidade executivos de trânsito  os CFCs. Para emissão da PID o condutor deverá estar regularmente registrado no sistema do Detran-RS, com o documento de habilitação nacional vigente.
A validade da PID e a categoria da habilitação e as restrições médicas são os mesmos considerados na Carteira Nacional de Habilitação.

Serão reconhecidos os documentos de habilitação, com data de validade em vigor, dos países de origem, os quais estão amparados por Acordo ou Convenções Internacionais, assinados e ratificados pelo Brasil, ou ainda pelo Princípio da Reciprocidade.

 O valor para pedir a Permissão Internacional para Dirigir é de R$ 43,32

Fonte: CFC Viacentro

Abaixo, trago uma lista dos países aonde é permitido utilizar a PID, que retirei do site do DETRAN.

Países onde é aceita a Permissão Internacional para Dirigir (PID):

 

África do Sul, Albânia, Alemanha, Anguila (Grã Bretanha), Angola, Argélia, Argentina, Arquipélago de San Andres Providência e Santa Catalina (Colômbia), Austrália, Áustria, Azerbaidjão, Bahamas, Barein, Bielo-Rússia, Bélgica, Bermudas, Bolívia, Bósnia-Herzegóvina, Bulgária, Cabo Verde, Canadá, Cazaquistão, Ceuta e Melilla (Espanha), Chile, Cingapura, Colômbia, Congo, Coréia do Sul, Costa do Marfim, Costa Rica, Croácia, Cuba, Dinamarca, El Salvador, Equador, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, Estônia, Federação Russa, Filipinas, Finlândia, França, Gabão, Gana, Geórgia, Gilbratar (Colônia da Grã Bretanha), Grécia, Groelândia (Dinamarca), Guadalupe (França), Guatemala, Guiana, Guiana Francesa (França), Guiné-Bissau, Haiti, Holanda, Honduras, Hungria, Ilha da Grã-Bretanha (Pitcairn, Cayman, Malvinas e Virgens), Ilhas da Austrália (Cocos, Cook e Norfolk), Ilhas da Finlândia (Aland), Ilhas da Coroa Britânica (Canal), Ilhas da Colômbia (Geórgia e Sandwich do Sul), Ilhas da França (Wallis e Futuna), Indonésia, Irã, Iriã Ocidental, Israel, Itália, Kuweit, Letônia, Líbia, Lituânia, Luxemburgo, Macedônia, Martinica (França), Marrocos, Mayotte (França), México, Moldávia, Mônaco, Mongólia, Montserrat (Grã Bretanha), Namíbia, Nicarágua, Níger, Niue (Nova Zelândia) Noruega, Nova Caledônia (França), Nova Zelândia, Nueva Esparta (Venezuela), Panamá, Paquistão, Paraguai, Peru, Polinésia Francesa (França), Polônia, Porto Rico, Portugal, Reino Unido (Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e País de Gales), República Centro Africana, República Checa, República Dominicana, Republica Eslovaca, Reunião (França), Romênia, Saara Ocidental, Saint-Pierre e Miquelon (França), San Marino, Santa Helena (Grã Bretanha), São Tomé e Príncipe, Seichelles, Senegal, Sérvia, Suécia, Suíça, Svalbard (Noruega), Tadjiquistão, Terras Austrais e Antártica (Colônia Britânica), Território Britânico no Oceano Índico (Colônia Britânica), Timor, Toquelau (Nova Zelândia), Tunísia, Turcas e Caicos (Colônia Britânica), Turcomenistão, Ucrânia, Uruguai, Uzbequistão, Venezuela e Zimbábue.

Fonte: Sistema RENACH Denatran – Dezembro 2010

Eu sugiro que, antes de viajar, você sempre dê uma conferida para saber por quantos dias é possível utilizar a PID desde a entrada no país e outros detalhes (que são fundamentais!), porque mesmo essa lista de países aonde é permitido dirigir com a PID tem restrições de dias… É bom conferir a regra do país aonde se pretende ir.

Qualquer dúvida, é só ligar para o CFC mais próximo de você! (Isso ficou parecendo propaganda de CFC… hahahah)